Sem classificação

Como a Zenplifique foi criada – S01E03 (finale)

Essa é a última parte. Aquela que conecta todas as outras. Aquela quando tudo finalmentefaz sentido (ou não, né… dependendo do filme ou da série nem no final as coisas fazem sentido).

Com a chegada da Íris vi que não tinha espaço para ela em minha casa. Comecei a me livrar de tudo que não fazia sentido porque tudo o que fazia sentido e importava para mim é que ela tivesse o seu cantinho. É que eu pudesse ter um espaço para cuidar dela. Ela veio para me ensinar mais ainda. Ela me mostrou a beleza nas coisas simples da vida. Lembro bem um dia que ela sorriu um monte quando pegou uma garrafinha de água e viu a água indo de um lado para o outro. Ficou numa felicidade ao ver a água se movimentando dentro da garrafa. Foi lindo. Foram vários momentos como esse que me fizeram voltar a apreciar as coisas simples.

Como estava muitos dias em casa sozinha com ela, tinha que conseguir cuidar da casa e dela ao mesmo tempo. Tive muitos momentos de pânico, mas também descobri formas de brincar com ela enquanto limpava e organizava. Os dias ficaram mais leves e a casa também. Conforme ia limpando e organizando me perguntava “Pra que tanta coisa?”. Fui percebendo que quanto menos coisas tinha, mais fácil era de organizar, e quanto mais organizada a casa estivesse mais fácil era para limpar. Óbvio, certo? Mas às vezes não tão óbvio assim. A gente não tem ideia de quanta coisa tem dentro da casa até tirar tudo de dentro dos armários e gavetas e colocar a mostra. Isso sem contar as coisas que a gente deixa jogado pela casa porque não tem ideia de onde colocar.

Foi assim que resolvi dar um basta nisso tudo. Não tinha recursos financeiros para contratar alguém para limpar para mim, e mesmo se tivesse, isso seria justo? Fiquei imaginando quem trabalha com limpeza em casas que tem milhares de coisas, que difícil que deve ser tirar o pó de cada coisinha, levantar os móveis para poder limpar o chão, o tempo que é perdido e o cansaço de ter que fazer tudo isso. Tem que haver um jeito de simplificar as coisas.

Já estava eliminando coisas desde que a Íris tinha chegado, mas dessa vez era diferente. Me deparei com um documentário sobre Minimalismo e foi assim que conheci esse conceito. Já o estava fazendo sem saber direito como, mas claro que depois de ler e estudar mais sobre o assunto foi ficando mais fácil. Junto com o Minimalismo acabei conhecendo também sobre técnicas de organização da Konmari que é muito importante para facilitar a vida dentro da casa e na rotina também. Por último e para completar essa ideia de ter uma vida mais simples e calma, conheci o conceito de atenção plena, ou Mindfulness que é um método de meditação para ajudar a controlar ansiedade, estresse e focar no aqui e agora.

Como essas coisas se interligam? Minimalismo é sobre ter na sua vida aquilo que realmente importa, aquilo que adiciona valor a ela. É sobre ter tempo para novas experiências. Quanto menos coisa você tem na sua vida, menos tempo você gasta tendo que limpá-las e organizá-las, portanto mais tempo sobra para outras coisas que não são materiais, como experiências, tempo para lazer, viagens, hobbys. Mesmo com poucas coisas dentro de casa, a organização da casa e da rotina são essenciais para que tudo continue fluindo. Nós temos que ser responsáveis sobre cada item que possuímos, devemos cuidar deles para que durem, pois, nosso mundo já está cheio de lixo e devemos pensar antes de criar mais. Existe tanta beleza no mundo, nas coisas simples, vemos isso claramente quando temos filhos. Fazemos por eles o que devíamos fazer por nós mesmos também, sair. Sair, brincar, caminhar, contemplar a natureza. A Íris me fez perceber quanto tempo eu passei enfurnada dentro de casa ou de um escritório. Me fez voltar a enxergar a natureza.
A meditação Mindfulness é uma forma de voltar ao básico. Você se concentra na respiração e toda vez que a sua mente vagar, ao perceber isso retorna à respiração. Somente este momento importa. É o aqui e agora. É uma técnica que quando treinada e aprimorada pode ser utilizada para pensar o aqui e agora para tudo. O que quero dizer é que se você está comendo, presta atenção no que está comendo e não no que tem que fazer depois do almoço. Se você está com a sua família, divirta-se com eles ao invés de pensar nas contas pra pagar. Isso diminui o estresse e a ansiedade, além do benefício de você aproveitar tudo ao máximo.

E o que é o minimalismo se não aproveitar a vida em sua totalidade? Aproveitar tudo que você tem direito? Fazer valer a pena sua estadia aqui. Coisas são o de menos quando pensamos em Minimalismo. Parece que é só sobre isso, mas não é. É sobre ter muito mais ao possuir muito menos. É sobre ter mais tempo, mais dinheiro, mais liberdade, mais experiências valiosas, mais beleza. É também sobre ter menos. Menos estresse, menos ansiedade, menos preocupações. É sobre destinar o seu tempo para uma vida com mais propósito. Nas palavras de um grande professor: “Carpe Diem, carpe diem. Aproveitem o dia, meninos. Façam de suas vidas extraordinárias”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *